Tuesday, June 12, 2012

Um Conto de Duas Beldades

























Beleza é a palavra do dia. Se seu corpo estiver dentro de uma determinada forma, se seu cabelo seguir um certo estilo e se sua pele brilhar de uma certa maneira, você está a caminho do sucesso. Esta é a mensagem: faça da perfeição a sua meta, não aceite nada menos. Tente o mais que puder, e um dia, algum dia, você chega lá. Chegará aonde as modelos chegaram, aonde os atletas profissionais chegaram, aonde as estrelas de Hollywood chegaram: na terra dos belos e em forma.

E se mesmo com todo seu esforço você não chegar lá, não se preocupe, basta entregar seu dinheiro aos especialistas que eles dão uma recauchutada em você. Seja o que for, nunca desista, porque a perfeição está logo a frente. Alguém mais acha essa mensagem deprimente? Que tal uma mensagem diferente, aquela aonde você não tem como meta se transformar em uma criatura perfeita, mas buscar o criador perfeito?

Santo Agostinho uma vez escreveu: "A beleza é realmente um bom presente de Deus, mas para que o bom não pense que é um grande bem, Deus dispensa-a até ao ímpio. " O sábio Rei Salomão disse: "Enganosa é a beleza e vã a formosura." Prov. 31:30.

Era uma vez um homem que era "tão belo que entre os filhos de Israel não havia outro homem mais belo do que ele; desde os ombros para cima sobressaía a todo o povo."1 Samuel 9:2. Este homem, Saul, foi  escolhido para ser o primeiro rei de Israel, porque o povo de Israel não queria ter "apenas" Deus como rei, eles queriam ser como as nações ao redor deles. Assim Deus, mesmo sabendo que eles estariam em uma situação pior ao terem um rei, permite que eles recebam exatamente o que pediram: Saul, um rei perfeitamente belo.

No entanto, seu rei perfeitamente belo não segue as ordens de Deus já no início do seu reinado e até chega ao ponto de desobedecer um comando direto de Deus para ir e destruir o rei dos inimigos Amalequitas e tudo o que tinham. Como resultado, Deus o rejeita como rei e escolhe em seu lugar um jovem com aparência não tão viril, chamado Davi, "porque o Senhor não vê como vê o homem, pois o homem vê o que está diante dos olhos, porém o Senhor olha para o coração." 1 Samuel 16:7-8.

Muitos e muitos anos depois, era uma vez uma jovem órfã, Ester, que na verdade era uma parente distante daquele rei Saul. Ela estava vivendo com o povo de Israel sob o jugo de um rei pagão, em uma terra estrangeira, e nessas condições, já não havia importância que um dia Saul havia sido rei e que ela era parte da família dele.

E aconteceu que o rei pagão deste reino estava à procura de uma esposa e ordenou a seus servos que vasculhassem todo reino por uma bela dama para ser sua rainha. Esther foi uma das escolhidas porque "era atraente e muito bonita", e "Foi levada Ester ao rei Assuero, à sua casa real, ... E o rei amou a Ester mais do que a todas as mulheres, e alcançou perante ele graça e benevolência mais do que todas as virgens; e pôs a coroa real na sua cabeça..." Ester 2:16-17.

Ester é escolhida pelo rei por causa de sua beleza, mas ela é escolhida por Deus porque tinha uma missão especial a cumprir. Ela teria que, em um certo momento, confrontar a Hamã (que acredita-se ser um descendente daquele mesmo rei dos Amalequitas que Saul poupou), para salvar seu povo. E para chegar a esse ponto, ela teria que tomar uma decisão muito difícil: "E assim irei ter com o rei, ainda que não seja segundo a lei; e se perecer, pereci (ou Se eu tiver que morrer, morrerei)." Ester 4:16. Ela estava pronta para morrer por seu povo, ela tinha um verdadeiro coração de rainha!

Ester se havia tornado rainha de um reino que se estendia desde a Índia até a Etiópia, e ela poderia ter escondido sua verdadeira identidade e calada assistir seu povo sofrer, enquanto apreciava os luxos de ser amada por um rei tão poderoso. No entanto, ela escolheu não apenas ser bonita, mas também sábia e seguir o propósito de Deus para sua vida, salvando seu povo.

Deus presenteia mulheres com beleza física, mas Ele nos lembra que, "A mulher que teme ao Senhor, essa sim será louvada. Dai-lhe do fruto das suas mãos, e deixe o seu próprio trabalho louvá-la nas portas." Provérbios 31:30-31. Esther deixou seu próprio trabalho louvá-la nas portas, e não sua beleza. Um feriado comemorativo se iniciou em sua memória, chamado de Purim, celebrado pelo povo de Israel. No entanto, as obras, ou o trabalho de Saul não estiveram a par de sua beleza, perdendo a oportunidade de servir a Deus como rei de Israel. Sua vida se finaliza de uma forma triste e trágica.

"E, assim, a beleza, que é de fato obra de Deus, mas apenas um tipo de bem temporal, carnal, e menor, não é convenientemente amada em detrimento de Deus, o bem eterno, espiritual e imutável." Santo Agostinho.

Que tipo de beleza você está procurando, um corpo bonito que vai durar alguns anos e nada mais, ou um coração bonito, que reflete a beleza de Deus em Cristo?

"Porque foi subindo como renovo perante ele, e como raiz de uma terra seca;

não tinha beleza nem formosura e, olhando nós para ele, não havia boa aparência nele, para que o desejássemos.
Era desprezado, e o mais rejeitado entre os homens, homem de dores, e experimentado nos trabalhos;
e, como um de quem os homens escondiam o rosto, era desprezado, e não fizemos dele caso algum.

Verdadeiramente ele tomou sobre si as nossas enfermidades, e as nossas dores levou sobre si;
e nós o reputávamos por aflito, ferido de Deus, e oprimido.
Mas ele foi ferido por causa das nossas transgressões, e moído por causa das nossas iniqüidades;
o castigo que nos traz a paz estava sobre ele, e pelas suas pisaduras fomos sarados."
Isaías 53:2-5

No comments:

Post a Comment

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
BLOG DESIGN BY DESIGNER BLOGS