Sunday, June 28, 2015

Quando você precisa de uma identidade que está acima dos arcos-íris e das bandeiras

Identidade. Estamos todos a procura de uma. Que nos faça diferentes ou iguais. Que atribua valor, significado e propósito à nossa vida. Especial. Queremos nos sentir especiais dentre os outros 7 bilhões de humanos. Não apenas uma vírgula no texto; queremos acreditar que importamos.


Empregamos afinco e suor a procura de uma identidade. Lutamos por ela, pressionamos por ela e às vezes machucamos por ela. Porque no fundo acreditamos que a felicidade seguirá. Mas e se estivermos correndo atrás de muito pouco, muito inferior e muito simples?


E se parássemos de nos contentar com o que for que seja definido como felicidade hoje em dia, e levantássemos nossos olhos bem mais para cima, a procura de uma felicidade real, eterna e segura? E se levantássemos nossa identidade para acima das nuvens, acima dos arcos-íris e das bandeiras, acima do visível, em direção ao extraordinário?


Ele te ama. Ele te ama. Ele te ama. O caminho de Deus é perfeito. Ele tem a perfeita identidade em Si mesmo para você. Ele quer te abraçar nos Seus braços, na Sua família, na Sua identidade, no Seu amor. Te sentar acima das nuvens, acima de todas as bandeiras, acima dos arcos-íris. Onde a chuva não o toca, e as tempestades não te machucam, onde o sol brilhará sempre radiante e forte, porque Sua luz nunca se apaga.


Essa é a identidade que quero que meus filhos encontrem. A única que não pára nas nuvens, feita real por amor real e sangue real e sacrifício verdadeiro. A identidade em Cristo que não se contenta com mentiras menores, simples ou inferiores. Uma identidade que não pode ser movida, destruída, alterada ou questionada. Estabelecida por anos e anos e anos e anos eternos.


Essa é a única identidade com que irei me contentar. Nada menos, nada inferior, nada abaixo das nuvens. Porque quando você encontra o verdadeiro tesouro, do que mais precisa?

Não se contente com menos. Não acredite na mentira de que o fruto vai satisfazer. Não vai. Ele não satisfez antes. Levante seus olhos, acima, mais acima. Você consegue ouvi-lo chamar pelo seu nome? Dentre os outros 7 bilhões? Você consegue sentir Suas mãos se aproximarem para levantá-lo nas alturas? Acima do que você jamais poderia alcançar com suas próprias asas? Você consegue ver que as mãos Dele estão feridas, perfuradas e cheias de cicatrizes por você?

O caminho de Deus é perfeito. Não se contente com nada menos do que perfeito.


Tuesday, April 14, 2015

Quando a conscientização sobre a exploração sexual de meninas não é opcional


Amanhã meu irmão caçula Pedro faz 33 anos. Como presente para ele, escrevo este texto.

O Pedro tinha quatro anos de idade quando se tornou meu irmão. Através de adoção, ele foi recebido em minha família, finalmente deixando para trás todo o sofrimento, abuso e negligência que vinha vivendo. (Sua história de adoção pode ser lida aqui em Inglês).


Entretanto, depois de tantos anos, pela primeira vez em minha vida percebi uma dura realidade. Entenda primeiramente, meu irmão é filho de uma prostituta. Aquele mundo de onde ele veio, estranho e distante para mim, no qual eu não cresci, o mundo profundamente acorrentado pela pobreza, marginalização, comércio sexual, abuso infantil, tráfico de seres humanos e uso de drogas; essa semana compreendi que ele também faz parte de mim. Porque esse mundo distante impactou e continua impactando minha vida também, mais profundamente do que tinha percebido antes.

A razão pela qual meu irmão não pode ver, andar, falar e não se desenvolveu como as outras pessoas, foi fortemente influenciado pelo fato de que ele nasceu no lado errado dos trilhos. Aquele aonde a escuridão é a norma; e a luz, a exceção. E dói.


Dói saber que alguém tão querido ao meu coração teve que passar por tudo o que ele passou, porque ele foi concebido dentro do ventre errado. O ventre de uma menina cujo corpo não pertencia a si mesma. A garota que poderia ter sucedido em circunstâncias diferentes. A menina que não chegou a conhecer o amor. Aquele que não está a venda.

Meu filho tem quatro anos de idade. O menino que nasceu do ventre certo. O menino que nasceu do lado certo dos trilhos. O menino que passou seus primeiros quatro anos brincando e rindo, ao invés de sofrendo, doendo e chorando. Meu filho não fez nada para merecer nascer no lar certo, tanto quanto meu irmão não fez nada para merecer nascer no barraco errado. Mas ele nasceu ali, e porque aquele barraco só conhecia escuridão, hoje ele só enxerga escuridão.


Há uma luz que é mais brilhante do que as cadeias mais escuras. E se eu pudesse voltar no tempo e guiar delicadamente aquela menina para fora da escuridão? Compartilhar com ela a boa notícia de que Deus a ama mais do que ela imagina? De que há verdadeira liberdade, aguardando para quebrar qualquer corrente?


E se eu pudesse voltar ainda mais no tempo? Ter certeza de que essa menina era amada, bem cuidada e criada com dignidade? Ter certeza de que ela tinha comida suficiente para comer, uma boa educação e um teto seguro sobre sua cabeça, de modo que não tivesse que vender-se a si mesma e gerar meninos destinados para o sofrimento?


E se ainda não for tarde demais para todas as outras meninas? Para todos os outros Pedros? E se o ciclo da escravidão puder ser quebrado para essas meninas, antes de que a dor aumente ainda mais? Antes que tire a visão dos filhos, a esperança do futuro, e a beleza da história.


Não tenho orgulho de saber que meu país, o Brasil, tem mais de 250.000 meninas escravizadas no comércio sexual. Meninas menores de 18 anos de idade. Crianças sendo vendidas. E enquanto existe a tendência de eu olhar para o outro lado, sei que lá no fundo todas elas são parte de mim, não há nós e eles. As correntes afetam todos nós.

Meu presente para meu irmão neste aniversário é a conscientização sobre meninas como a mãe que o gerou. Para que mais meninos não precisem herdar a escuridão da maneira que ele herdou.


Friday, April 3, 2015

Quando a Páscoa tem tudo a ver com ovos quebrados

Você nunca escuta falar o suficiente sobre os ovos quebrados. Os que não chegam ao supermercado, os que não se transformam em aves bebezinhas, e os que não são escolhidos para serem decorados nas atividades de Páscoa.


Ovos quebrados não agradam os olhos. Em uma dúzia, os quebrados se destacam como marginalizados. Eles geralmente apodrecem rápido, começam a cheirar ruim, e são os primeiros a serem descartados. Eles não possuem beleza.



Você nunca escuta falar o suficiente sobre as pessoas quebradas. As que não sucederam na vida, as que não se tornaram alguém digno, as que não foram escolhidas como exemplo.

Pessoas quebradas não agradam os olhos. Em uma multidão, as pessoas quebradas destacam-se como marginalizadas. Geralmente têm vidas apodrecidas, às vezes cheiram mal, e são as primeiras a serem descartadas na sociedade. Não possuem beleza aos nossos olhos. 

E, no entanto, a Páscoa tem tudo a ver com ovos quebrados. Tudo a ver com pessoas quebradas. A Páscoa é sobre ovos sem decoração, ovos caindo aos pedaços e ovos abandonados. Transformados em inteiros. Convidados a fazer parte de uma família.



O túmulo está vazio, a morte foi vencida, salvação chegou ao mundo; e onde está Jesus? Ele está compartilhando a maior notícia de todo o universo com uma mulher quebrada, quebrantada. Uma marginalizada.

Ele provavelmente estava por perto quando João correu mais rápido que Pedro para chegar ao sepulcro. Ele sabia quando Pedro entrou no interior do túmulo e viu os panos de linho. No entanto, Ele espera. Ele espera a pressa ir embora. Ele espera até que os únicos presentes são Maria e suas lágrimas.

Ele se aproxima porque "Bem-aventurados os que choram porque eles serão consolados". Maria conhecia ovos quebrados. Ela também conhecia Aquele que restaura pessoas quebradas. 

Ele a chama. As primeiras palavras de um redentor ressuscitado são os seguintes: "Mulher, por que choras?" Será que não havia assuntos mais importantes no mundo para com que o Filho de Deus lidar, depois de tudo que tinha passado? Uma mulher chorando, uma marginalizada?

Quando foi a última vez que me aproximei de uma pessoa quebrada e disse: "Vem ser parte da minha família." O drogado, a prostituta, o assaltante, o morador de rua, o outro. "Vem, você é bem-vindo para ser parte da minha família".



É isso que Ele diz: "Subo para meu Pai e vosso Pai", Maria. Somos família agora. Você, a mulher quebrada com quem ninguém se importava e Eu, o Criador de todas as coisas, acima de todos. Somos família. 

Onde está Deus nesta Páscoa? Ele ainda está alcançando pessoas quebradas. Uma a uma, trazendo-as para Sua família. E Ele também usa pessoas quebradas para realizar essa tarefa. Ele escolhe Maria para ir contar a todos os outros sobre a boa notícia.



Você pode não tê-las visto no jornal ou na revista. Na maioria das vezes, quando Jesus alcança pessoas quebradas ou quando Jesus usa pessoas quebradas, as pessoas respeitáveis geralmente não notam. E, no entanto, em um reino de cabeça para baixo, a Páscoa se inicia embaixo, com os quebrados.


Wednesday, December 31, 2014

A única resolução de Ano Novo que você realmente precisa


Todo começo inspira mudanças. Possivelmente aquelas que tragam resultado positivo. Mesmo quando o novo começo é apenas uma data no calendário, existe a sensação de estarmos iniciando um novo capítulo, linhas em branco prontas para serem preenchidas com potenciais sucessos, conquistas e experiências positivas. Assim é o Ano Novo. Tempo para redefinir, virar a página e iniciar um novo capítulo.


Um homem chamado Habacuque fez a descoberta de que não era aumentando, mas sim diminuindo suas expectativas materiais futuras, que a verdadeira felicidade aconteceria. Mesmo se o próximo capítulo de sua vida fosse preenchido com palavras deprimentes, rabiscadas nas entrelinhas, tal realidade não influenciaria suas emoções.

Ele disse:

"Portanto, ainda que a figueira não floresça,
nem haja fruto na vide;
o produto da oliveira minta,
e os campos não produzam mantimento;
as ovelhas da malhada sejam arrebatadas,
e nos currais não haja vacas..."


Basicamente um futuro sem alimento, dinheiro, segurança, diversão, prestígio ou sucesso. Basicamente enfrentar a morte, a fome, a doença e a dor. Certamente as expectativas de Habacuque não poderiam ser mais baixas do que essas.

E, no entanto, ele conclui, mesmo se todo o cenário acima acontecesse:

"todavia, eu me alegrarei no Senhor,
exultarei no Deus da minha salvação."


Por quê? Como isso é possível?

Talvez fosse porque ele entendesse que...

"Deus, o Senhor, é minha força,
e fará os meus pés como os das cervas,
e me fará andar sobre as minhas alturas."


Visualizo novamente minha lista mental de resoluções para o Ano Novo e, de repente, os itens enfileirados uns após os outros perderam sua importância. De que importaria ocupar-me com poças de água no vale, quando eu poderia estar apreciando o horizonte do topo da montanha!? De que me importará se a figueira florescer, se as videiras derem frutos, se a oliveira produzir, se os campos derem alimento, se o rebanho multiplicar, se os currais estiverem cheios, mas a minha força repousar em lugares baixos?


Ano novo significa o início de uma nova volta ao redor do Sol. Não ao redor de si mesmo. Não ao redor da lua. Ao redor da luz. Ao redor da fonte de vida. Ao redor de algo maior, mais forte e mais brilhante.

Os lugares altos não podem ser escalado com diplomas, corpos em forma ou bens materiais. Os lugares altos requerem pés diferentes, passo diferente, andar para cima, seguindo a luz, a fonte de vida. Alguém maior, mais forte e mais brilhante.


E Ele é a única resolução de Ano Novo que eu realmente preciso.


Thursday, August 28, 2014

Como criar filhos para serem bem-sucedidos no casamento


"Não, não até que esteja completamente satisfeita, realizada e feliz por ser amada somente por mim...", dizia o poema. 

Ainda me lembro o quanto essas palavras me impactaram, quando estava nos meus vinte e poucos anos procurando pelo meu "príncipe encantado" que iria me fazer feliz para sempre. 


O texto continuava dizendo: "em entregar-se totalmente e sem reservas a mim, a ter um intenso relacionamento pessoal somente comigo; descobrindo que só em mim sua satisfação é planejada para você." 

Deus. Ele estava me dizendo que não importava o quão perfeito o príncipe fosse, não haveria ninguém nesta terra que iria preencher um buraco do tamanho de Deus no meu coração. E colocar tal fardo sob qualquer ser humano, seria um ato egoísta e cruel. 

Hoje, após dez anos felizes de casada, acredito que essa mensagem seja tão atual como no dia em que a li pela primeira vez. O segredo para um casamento bem-sucedido consiste em estar primeiramente completamente satisfeita com Deus, e então, a partir desse lugar de plenitude de satisfação e amor, posso estender amor ao meu marido, e depois aos meus filhos, ao meu próximo e ao mundo inteiro. 

Amor duradouro verdadeiro não é a mesma coisa que uma emoção romântica passageira. O primeiro tipo de amor é uma decisão diária não egoísta, centrada em Deus, a partir de uma perspectiva eterna. O segundo, um sentimento egoísta, transitório, interesseiro, a partir de uma perspectiva limitada ao agora.

A mulher samaritana que foi ao poço onde encontrou Jesus, estava no seu sexto relacionamento e ainda se encontrava sedenta. Estatísticas nos mostram que o sucesso do casamento diminui  a cada sucessivo cônjuge. Apenas água viva pode encher completamente o tanque do amor.


Nessa era atual do ultra consumismo, o casamento tornou-se uma mera mercadoria que promete trazer felicidade ao comprador. Vá as compras tentando achar o melhor produto, e se mais tarde não der certo, volte as compras em busca de algo diferente. Quanto mais individualista uma sociedade se torna, mais casamentos se desfarão. Porque afinal de contas, a única coisa que importa sou eu, nãé mesmo?

Que eu possa ter a sabedoria de ensinar meus filhos que dentro de um universo inteiro, e dentro de uma linha do tempo inteira que corre infinitamente para trás e para frente, de eternidade a eternidade, eles não são o centro de nenhum dos dois. Então, por que viver a vida diária como se fossem?


Existe um centro para o universo e existe um centro para a linha do tempo, e existe um centro ao qual devemos centralizar todo nosso coração ao redor. Quando Deus está no centro de duas vidas, o restante se encaixa no lugar, incluindo seu casamento. Esse é o segredo para um casamento bem-sucedido.


Wednesday, August 13, 2014

Quando as perdas afogam o noticiário



A única maneira de crescer é passar por perdas. Perda dos dentes de leite, perda do cheirinho de bebê, perda do discurso infantil, perda dos sorrisos marotos, perda das aventuras imaginárias, perda das brincadeiras de esconde esconde.

Perdas. Enquanto os ponteiros do relógio avançam, as perdas empilham. Vidas, sonhos, planos. O lembrete diário de que as perdas estão ocorrendo na velocidade da luz. Mortas estão todas as células que foram substituídas. Distantes estão todos os momentos presentes que se tornaram somente memórias. 

Maria. Ela entendia perdas, sua vida havia sido difícil, mas agora tinha encontrado esperança para todas suas perdas. Agua viva abundante. Entretanto, quando olha para o sepulcro vazio, o vazio dentro de seu coração atinge um novo patamar. Aonde o haviam colocado? Ele, sua única esperança. 


Dói, lá no fundo, olhar para o vazio da perda, sem ter nada grande o suficiente para preencher o vácuo. Como retornar para sua vida diária, quando a cada momento, lembranças manterão a dor presente? Os sentidos de Maria estavam afogados pela dor, tanto que ela torna-se cega para aquele que se aproxima, torna-se surda para aquele que fala. 


Pode levar algum tempo para você perceber que o mesmo sepulcro vazio é também a fonte de esperança. Você consegue enxergar o invisível? Você consegue imaginar uma vida que continua alem da morte? A presença da ressurreição tomando conta do palco da morte! Maria, mova seus olhos para além do sepulcro!! Maria, Ele ressuscitou!!

Há esperança em Jesus para cada perda. O relógio não precisa mais ser temido, o grão morrerá mas produzirá muitos frutos. As crianças crescerão, o relógio continuara movendo, as perdas continuarão afogando o noticiário. Fora da ressurreição não há esperança. Mas Ele ressuscitou!

Levantarei meus olhos... meu socorro vem do Senhor.


Thursday, June 5, 2014

Quando criar filhos bem equilibrados não é o suficiente


Como criar uma criança bem equilibrada? Será que um total contendo 20% cultura, 20% esportes, 40% estudos acadêmicos e 10% religião seria o suficiente? Ou talvez uma porcentagem diferente para cada item dependendo das aptidões individuais, do ambiente cultural e das tradições familiares? Será que essa seria a equação para criar uma criança bem equilibrada e consequentemente um adulto bem equilibrado?

E como seria a constituição da vida de um adulto bem equilibrado? Talvez um total contendo 70% trabalho, 10% diversão, 5% esportes e atividades para a saúde, 5% cultura, 5% viagens, 3% trabalho voluntário e 2% religião? Será essa a imagem de uma vida bem equilibrada?

Mas e se esses mesmos adultos bem equilibrados fossem na verdade chamados de mornos, ou seja nem quentes nem frios, pela própria pessoa que os criou? Como se o fabricante do carro um dia nos informasse, depois de todos esses anos, que estivemos enchendo o tanque do nosso carro com o combustível errado. Enchendo nossas vidas com porcentagens erradas. E se achamos que somos adultos bem equilibrados, estamos na realidade nos enganando.

O criador recomenda a porcentagem adequada: "Buscai primeiro o reino de Deus, e a sua justiça, e todas estas coisas vos serão acrescentadas". Espera aí, será que isso significa que devemos submeter 100% de nossas vidas para Deus? Todo nosso amor, nossos pensamentos, nosso tempo, nossa vontade, nosso futuro e nossos planos? Mas e todas as outras coisas importantes? Bem, Ele promete que estas outras coisas vos serão acrescentadas, olhe para os pássaros, olhe para as flores, Ele diz. Mas o que é que receberemos em retorno quando oferecemos 100% de nossas vidas para Deus? Recebemos Deus. Será Ele suficiente?


Há uma promessa para aqueles prontos para deixar uma vida bem equilibrada, bem morna, para traz. Uma promessa para aqueles prontos a abrirem sua porta para Jesus. A promessa? "entrarei em sua casa, e com ele cearei, e ele comigo" e "lhe concederei que se assente comigo no meu trono".

Será que existe um lugar melhor para se estar? Tente imaginar! Sentado a mesa com a pessoa que te ama mais do que qualquer outra nesse mundo! Sentado com o criador do universo inteiro no seu trono! Será que existe um lugar mais seguro, mais completo e mais cheio de amor para estar? O amor é tanto que Ele aceitou para sempre um corpo humano, e deixou mãos humanas ferirem sua carne enquanto Deus feria seu ser com todo o castigo que você e eu merecíamos, para que pudéssemos ter a mesma comunhão com o Pai assim como Jesus tem. Imagine o que será estar tão próximo a Jesus que Ele estará sentado bem ao seu lado!


Não se trata de oferecer 100% de sua vida a uma religião. Não se trata de oferecer 100% de sua vida a uma igreja, organização, líder ou causa. Se trata de amar a Deus de tal forma, de todo teu coração, alma e forças que quando você conversa com Ele não esta meramente repetindo palavras, ou pronunciando sentenças, você está na presença da própria definição do amor. E todo esse amor flui ao seu coração e não há espaço para mais nada. Porque o que poderia ser tão importante para valer a pena tirar espaço ocupado pela plenitude de amor? E o que mais importaria quando você tem a atenção completa e a presença próxima do ser mais belo que alguém conseguiria encontrar?

Ele está fazendo tudo o que pode para chamar sua atenção, porque Ele sabe que o presente mais maravilhoso que você pode receber e o presente mais maravilhoso que Ele pode te dar, será sempre Ele mesmo. Ele é o presenteador e Ele é o presente!

Deixai as criancinhas irem a Ele! Ele é o pai eterno, o único que pode criar filhos para se tornarem filhos de Deus! Como pais, nosso principal papel é guiar nossos filhos ao presenteador, para que eles possam degustar do presente e nunca mais terem sede por algo mais além de Jesus.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...
 
BLOG DESIGN BY DESIGNER BLOGS